Porque a cibersegurança é a profissão do futuro

Seguinte

O cibercrime é um negócio que está em ascensão. Inclusive, os dados publicados pelo site Cybersecurity Ventures (entre muitos outros) revelam que o cibercrime pode custar cerca de $6 trilhões para empresas, a medida que mais companhias dependem de modelos de negócio baseados na Internet sem uma segurança adequada para proteger seus ativos digitais.

Nunca foi tão alta a necessidade de profissionais qualificados na área. No entanto, a realidade mostra que a indústria enfrenta uma falta de especialistas de aproximadamente três milhões de pessoas.

A seguir, analisamos por que escolher uma carreira em cibersegurança pode ser um caminho promissor.

Atendendo o vazio

Assim como nossa dependência da tecnologia cresceu, o número de ciberataques no mundo também aumentou. A empresa de advogados Linklater descobriu que esse número aumentou 63% entre 2016 e 2018. No entanto, além de seu crescimento, mais de seis em cada dez negócios (63%) disse que não possui segurança para se proteger de possíveis ameaças.

A medida que a Internet das Coisas (IoT, por suas siglas em inglês), a Inteligência Artificial (AI) e outras tecnologias digitais continuam presentes em nossas vidas, e as pessoas com habilidades informáticas se mostram essenciais para a proteção de dispositivos e informações sensíveis que produzem e armazenam. Criar consciência e emponderar os jovens a considerar suas oportunidades nesse campo é fundamental para construir uma força de trabalho em cibersegurança capaz de proteger nossa sociedade.

Sem isso, as ameaças que afetam empresas continuarão a crescer e podem causar danos para a vida das pessoas e a economia. E não se trata somente de proteger os negócios, um ciberataque à infraestrutura crítica nacional, como os setores de energia e saúde, poderiam ter consequências devastadoras. Para proteger as pessoas, devemos impulsionar os jovens a considerar uma introdução em carreira de segurança da informação e para que eles saibam a diferença que podem fazer.

Rompendo barreiras

Por que há esse vazio? Existem muitas razões; alguns jovens podem se sentir intimidados pela indústria pensando que é difícil entrar na área, e outros podem simplesmente não saberem as oportunidades que se oferecem.

A ausência de um caminho de entrada tradicional para a indústria também é um problema. Atualmente, são poucos os mentores que servem de exemplo. Mas isso poderia mudar com empresas de oportunidades de trabalho especialmente focadas na cibersegurança.

Além disso, devemos incentivar mais mulheres trabalhando na indústria. Devemos eliminar o estigma de que as profissões STEM (ciência, tecnologia, engenharia e matemática, por suas siglas em inglês) são para homens, assim, promovendo uma maior participação das mulheres profissionais em segurança e tecnologia para que elas também liderem eventos, visitem escolas e universidades e compartilhem suas experiências com outras jovens. Com os modelos adequados, mais mulheres irão notar que essas profissões são tão viáveis para elas como para qualquer homem.

E uma vez dentro, uma carreira em cibersegurança tem tudo – um motivo altruísta, um salário lucrativo e a possibilidade de trabalhar ao redor do mundo.

Na ESET, nossos investigadores trabalham como parte de uma comunidade global nos projetos mais inovadores, incluindo aqueles com Google que visam parar o malware e associações com o FBI para derrubar famílias de malware. Os investigadores da ESET foram responsáveis pelo descobrimento do Industroyer, o malware que realizou um apagão na Ucrânia, em 2017.

Definitivamente, as oportunidades estão aí, o que realmente falta é a conscientização. Por isso, é importante realizar programas que se encarreguem disso, promovendo o conhecimento e conectando os profissionais de hoje com os líderes de amanhã. A indústria e sua força de trabalho devem fazer mais para apoiar esses programas com o objetivo de criar um futuro melhor e mais seguro.